in

Expectativa é que turismo baiano melhore apenas em 2023, aponta secretário

O turismo foi um dos setores mais afetados com a pandemia do novo coronavírus. De acordo com o secretário de Turismo da Bahia, Fausto Franco, durante entrevista na manhã desta segunda-feira, 27, para o ‘Isso é Bahia’, na rádio A TARDE FM, cerca de 85% das atividades ligadas ao setor foram suspensas e 90% tiveram redução de faturamento.

“São números alarmantes. 2020 e 2021 serão anos perdidos e digo mais, a perspectiva de retomada é em torno de 2023”, disse o secretário.

Fausto explica que isso vai acontecer por conta da mudança da sociedade durante a pandemia da Covid-19, gerando uma mudança, também, na malha aérea.

“A malha aérea, que é indispensável para o fluxo turístico, está sendo modificada porque o turismo de negócios, em virtude das teleconferências, está mudando. Se antes a gente tinha 20 voos por dia de São Paulo para Salvador, a expectativa é passar a ter 10 voos por dia, por exemplo”, contou.

Futuro

Apesar da previsão, o secretário reage com otimismo para o turismo local, principalmente pela Bahia ter espaços turísticos que não necessitam de aglomerações.

“Temos expectativas positivas porque as pessoas querem muito sair de casa, viajar, mas não para aglomerações. Turismo para ambientes abertos, por exemplo, e a Bahia tem as possibilidades para isso. Uma pessoa não precisa ir para uma praia lotada, mas pode conhecer a Chapada Diamantina”, sugeriu Fausto.

Além disso, o secretário adiantou que um aplicativo está em fase de desenvolvimento para auxiliar as pessoas que veem à Bahia como um ponto turístico de interesse após a pandemia. Segundo o titular da pasta, neste aplicativo os próprios consumidores vão relatar suas experiências no Estado.

“O consumidor vai relatar as informações, passando mais credibilidade do que o próprio governo fazendo isso”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MP-BA deve retomar atividades presenciais em setembro

Novo Fundeb deve tirar 46% das cidades de condição de subfinanciamento