Foto: Reprodução/ Ilustração
in

Prefeitura de SP confirma primeiros casos de varíola dos macacos em crianças na cidade

A Prefeitura de São Paulo confirmou, na noite desta quinta-feira (28), três casos de monkeypox, a varíola dos macacos, em crianças. Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, todas estão sendo monitoradas e não têm sinais de agravamento. São os primeiros casos registrados em crianças na capital.

“No último sábado (23), a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou que a doença é uma emergência de saúde pública, de caráter global. Com a nova realidade internacional, busca-se aumentar a coordenação entre os países e reforçar os mecanismos de busca ativa, com o objetivo de implementar medidas que ajudem a conter a circulação do vírus”, diz o comunicado.

O atendimento para os casos suspeitos da doença está disponível em toda a rede municipal de saúde, como Unidades Básicas de Saúde (UBSs), pronto-socorros e pronto atendimentos. “A rede foi capacitada e conta com insumos para coleta de amostras das lesões cutâneas (secreção ou partes da ferida seca) para análise laboratorial”, afirma a pasta.

O estado de São Paulo é o que mais registra casos da varíola dos macacos, em todo o país: são 744, de acordo com a Secretaria Estadual da Saúde divulgou na terça-feira (26). Com 978 diagnósticos positivos, o Brasil é o sexto país no mundo com mais casos.

Uma das explicações médicas para a doença ter se espalhado com tanta rapidez é que, em muitos casos, os sintomas têm sido discretos. Algumas pessoas apresentam, por exemplo, poucas lesões na pele e não se isolam, como é recomendado.

A líder técnica da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o controle da doença, Rosamund Lewis, disse que a situação brasileira é muito preocupante e que é importante que as autoridades tomem conhecimento da emergência de saúde pública de interesse internacional e tomem as medidas adequadas.

Uma das principais ações de combate é conseguir a vacina que garante proteção de 80% contra o vírus, que está sendo fabricada na Dinamarca. O governo do estado já informou que pretende comprar doses ou até produzi-las no Instituto Butantan.

Neste momento, a OMS não recomenda a vacinação em massa, mas a aplicação de doses em pessoas que foram expostas ao vírus ou a grupos que estejam em risco maior, como profissionais da saúde.

Em SP

No Hospital Emilio Ribas – referência para o diagnóstico e tratamento da varíola dos macacos na capital, de 30 a 40 pessoas têm buscado atendimento por dia para fazer o teste e saber se estão com a doença.

O infectologista Mario Gonzalez alerta, porém, que a contaminação pode acontecer antes mesmo de qualquer sintoma aparecer.

“Algumas pessoas já podem transmitir um pouco antes de apresentar sintomas, de 4 a 8 horas antes dos sintomas, das lesões de pele, já podem estar transmitindo. O que estamos observando é que há espectro de sintomas e lesões. Pode variar de lesão única na pele a milhares de lesões na pele. Tem pessoas que têm algo muito leve e por conta disso nem cancelam os compromissos que elas têm, vão a festas, bares, fazem encontros íntimos, mantêm relações com outras pessoas e podem continuar transmitindo.”

Quando as lesões surgem, elas parecem espinhas ou bolhas e podem ser acompanhadas de ínguas – que são os gânglios inchados – febre, dor no corpo.

Fonte: G1.globo.com 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Sancionada lei que facilita instalação de antenas 5G

Doméstica resgatada após passar 26 anos em condições análogas à escravidão é indenizada em Belém